personagem
7 doenças comuns entre as crianças durante o verão

Notíciasjan, 17 - 2019

7 doenças comuns entre as crianças durante o verão

O verão está aí! E, com ele, chegam as festas de fim de ano, férias, muita praia, sol, piscina e todos aqueles elementos que tornam esta época do ano incrível. Por outro lado, este ambiente também pode ser desafiador para o sistema imunológico das crianças.

Para ajudar os papais, a Seven Boys listou sete doenças comuns que acontecem na estação mais quente do ano e dá dicas de como evitar possíveis transtornos. Vamos lá:

 

1 – Insolação

Se existe algo que criança adora, é ficar debaixo do sol! Porém, ficar muito tempo exposto ao calor intenso pode provocar tonturas, vômito, dores de cabeça e até mesmo febre. Para prevenir,a melhor maneira é monitorar o tempo dos pequenos debaixo do sol, mesmo que estejam usando protetor solar. Além disso, vale sempre oferecer muita água para hidratar.

Sucos, bebidas isotônicas e até mesmo a água de coco devem ser evitados, pois contém açúcar, que ajudam na desidratação do organismo.

Geralmente os sintomas duram entre 24 e 48 horas. Caso permaneçam por mais tempo, ou mesmo se a febre ou os vômitos forem muito intensos, vale procurar ajuda médica. Lembre-se que exposição ao sol por longos períodos também provoca queimaduras na pele.

 

2 – Diarreia

Muito comum durante o verão, ela pode acontecer por conta de algum microorganismo presente na piscina, no mar – geralmente um vírus – ou até mesmo por uma intoxicação alimentar.

Outro possível motivo é a má conservação dos alimentos. No calor é preciso tomar um cuidado ainda maior! Diversas comidinhas vendidas prontas na praia não possuem refrigeração e também são preparadas com poucas regras de higiene. Por isso, vale fazer seus lanchinhos especiais em casa e levar para as crianças.

Caso a criança tenha diarreia, vale mantê-la bem hidratada e, caso seja acompanhada de febre, vale entrar em contato com um pediatra para orientações.

 

3 – Otite

A água transporta muitas bactérias que podem infeccionar o ouvido externo e desencadeiam a otite. Este clássico da estação vem acompanhado de dor, sensação de abafamento no ouvido, secreção amarela e zumbidos.

Neste caso, por se tratar de uma infecção, é importante entrar em contato com um especialista para iniciar um tratamento.

Mas atenção, infecção é diferente de um simples ouvido entupido pela água. Neste último caso, a dor tende a sumir sozinha.

 

4 – Micose

Assim como a água, o solo também carrega muitos microrganismos, como o fungo, por exemplo. E é nas mãos e nos pés umedecidos que eles encontram ótimos lugares para se proliferar.

Entre as micoses mais comuns estão as circulares vermelhas, com bordas mais elevadas. Elas ficam brancas com o tempo e são conhecidas exatamente por  esta particularidade.

Mais uma vez, vale procurar um especialista para fazer o tratamento correto.

 

5 – Escarlatina

A doença é causada por um tipo de bactéria e seu primeiro sintoma é uma infecção de garganta que parece simples, mas depois causa febre alta, náusea, mal-estar, dores musculares e manchas vermelhas na pele.

Ela é transmitida pelo toque ou gotículas de saliva e é muito comum durante o verão. O tratamento é feito com antibióticos e melhora em até 10 dias. É importante a intervenção de um pediatra para tratar a doença.

 

6 – Impetigo

Sabe aquelas bolinhas avermelhadas pelo corpo? Pode ser Impetigo, dois germes que vivem na pele, proliferam-se e podem causar bolhas maiores.

A prevenção é bem simples – basta evitar que a criança fique com roupa úmida por muito tempo.

O quadro não é lá muito grave, mas pode incomodar e, caso não seja combatido, pode agredir os rins e até provocar nefrite.

 

7 – Infecção urinária

A doença é mais comum entre as meninas, que geralmente ficam com biquíni molhado por muito tempo.

Para evitar, assim que a criança sair da água, coloque uma roupa seca e volte a oferecer o biquíni quando ela voltar para a piscina ou mar. E leve os pequenos para fazer xixi de tempos em tempos, porque ficar segurando por muito tempo também aumenta o risco da doença aparecer.

 

Por Carolina Pain