personagem
Abril Azul: mês da conscientização sobre o autismo

Notíciasabr, 08 - 2021

Abril Azul: mês da conscientização sobre o autismo

Saiba mais sobre o assunto e como incentivar a inclusão

O transtorno do espectro do autismo (TEA) é uma condição neurológica, que se caracteriza pelo déficit na comunicação social e também pela presença de padrões restritos de comportamento. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o transtorno atinge uma em cada 160 crianças no mundo. Só no Brasil, estima-se que existem cerca de 2 milhões de pessoas que têm a condição.

Por isso, o mês de abril é dedicado às discussões sobre o tema, para que tenhamos uma sociedade cada vez mais inclusiva!

CAUSAS

Até a década de 1980, acreditava-se que o ambiente familiar era o fator determinante para o autismo. Com o avanço das pesquisas, os especialistas passaram a atribuir grande parte da causa ao fator genético, sobrando uma pequena parcela para o ambiente.

No entanto, é importante ressaltar que, apesar dos avanços dos estudos acerca do tema, ainda não se sabe ao certo quais as causas do TEA. O que existem são fortes evidências científicas de que o autismo pode ser causado pela herança genética.

SINTOMAS

Existem diferentes graus de manifestação do autismo – por isso usa-se a denominação Transtorno do Espectro do Autismo – e os primeiros sinais podem ser percebidos bem no início de vida da criança. 

Por isso, é importante ficar atendo ao comportamento do seu filho para identificar possíveis sintomas e procurar um profissional. Alguns deles são:

  • Dificuldade para interagir socialmente – manter o contato visual, expressão facial, gestos, expressar as próprias emoções e fazer amigos;
  • Dificuldade de se comunicar – optando pelo uso repetitivo da linguagem, tendo muita dificuldade para começar e/ou manter um diálogo;
  • Alterações de comportamento – manias, apego excessivo a rotinas, ações repetitivas, bastante interesse em coisas específicas, dificuldade de imaginação ou pensamentos abstratos e sensibilidade sensorial.

 

O AUTISMO E A PANDEMIA

A pandemia do novo Coronavírus nos trouxe alguns comportamentos e hábitos inéditos. Para as famílias que têm crianças autistas, o desafio é ainda maior, muito pela mudança de rotina, que, muitas vezes, não é aceita por elas. Por isso, criar uma rotina nova pode ser uma saída importante para esse período de isolamento.

Outra grande questão é o uso de máscara: por apresentar hipersensibilidade, quem tem o TEA não consegue ficar de máscara de proteção ao Covid-19 tranquilamente. Em janeiro de 2021, o Estado de Pernambuco aprovou uma lei que dispensa o uso de máscaras de proteção facial para pessoas com TEA.

TRATAMENTO

Logo que os primeiros sinais do transtorno forem percebidos, é importante procurar ajuda profissional para melhorar a comunicação, a concentração e proporcionar mais qualidade de vida ao autista.

Dessa forma, o ideal é encontrar um profissional de psicoterapia de confiança que ajudará, desde cedo, a criança a se desenvolver.