personagem
Três coisas que não devemos dizer aos nossos filhos

Notíciasset, 05 - 2018

Três coisas que não devemos dizer aos nossos filhos

Como já diz um sábio provérbio chinês, “Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida. Por isso, é realmente importante pensar muito antes de dizer algo para quem amamos e, principalmente, para as nossas crianças.

Veja, abaixo, algumas colocações que devem ser evitadas para não confundir nossos filhos e nem afetar seu desenvolvimento psicológico.

 

Alienação parental

Não tire a autoridade do seu companheiro com frases do tipo “Não ligue para o que sua mãe diz”. O mesmo vale para uma afirmação que mencione o pai de maneira pejorativa. Quando pequenas, as crianças têm como principal referência os pais e comentários deste tipo podem geram insegurança e confusão na cabecinha delas. Esta prática, infelizmente comum entre pais separados, é extremamente nociva para os filhos e denominada alienação parental. A manipulação psicológica é considerada crime e, se comprovada, é inclusive passível de punição perante a lei brasileira.

 

Comparações

É comum, na hora de coibir ou incentivar um determinado comportamento nas crianças, fazer comparações com irmãos, primos e amiguinhos da escola. Embora inocente, este tipo de atitude pode fazer com que seu filho tenha sua autoconfiança abalada. Tenha em mente que as pessoas são únicas, assim como suas características. Respeite a individualidade do seu filho e construa uma relação de parceira, ajudando-o a evoluir nos pontos em que ele precisa melhorar.

 

Repressão das Emoções

“Pare de chorar!”. Quem nunca ouviu isso? Muitos pais certamente já se pegaram em algum momento da vida repreendendo o choro dos filhos. O que eles não imaginam é o quanto repreender as emoções das crianças é prejudicial. Além de estimular o medo e a timidez, isto também pode resultar em comportamentos agressivos no futuro. Procure compreender o motivo do choro. Estabeleça uma relação de confiança com seu filho.

Por Carolina Pain